Cientistas conseguem regenerar esmalte dentário e reduzir dor proveniente da cárie

PUBLICADO EM 05/12/17


Pesquisadores da University of Southern California (USC) descobriram em dois estudos recentes uma enzina importante para a formação do esmalte dentário e uma forma de incentivá-la a regenerar esse esmalte, o que pode ajudar a reduzir a dor da cárie de maneira mais efetiva do que uma restauração. Matrix metalloproteinase-20, ou MMP20, é encontrado apenas em dentes e trabalha com outras enzimas para organizar os cristais que formam o esmalte.

Por causa da biocerâmica que protege os dentes, a mais resistente encontrada no corpo humano, os pesquisadores descobriram uma maneira de recriar uma substância similar ao esmalte quase tão resistente quanto a versão natural. O selante que mantém a restauração no lugar pode enfraquecer com o tempo, levando os pesquisadores a procurar melhores maneiras de reduzir a dor associada a cáries.

A primeira descoberta dos pesquisadores foi da existência e o funcionamento do MMP-20. Assim obtendo o conhecimento de como o esmalte se forma, e utilizando a proteína que previne que materiais orgânicos indesejados se formem nos cristais do esmalte e guiem o crescimento, pesquisadores começaram a vislumbrar uma maneria de reparar o esmalte.

No segundo estudo, os pesquisadores testaram o hidrogel em um modelo que simula os processos bioquímicos da cavidade oral e em molares humanos, sem lesões que poderiam gerar cáries. O hidrogel, reduziu a profundidade de lesões de 50% a 70% após uma semana de aplicação do produto.

Agora os pesquisadores estão trabalhando em uma solução para formar um esmalte mais forte, para poderem avançar para os testes clínicos em humanos.


Fonte: Dental Press