Quem toma anticoagulantes deve ter cuidado redobrado em operações bucais.

PUBLICADO EM 03/11/17


Os anticoagulantes usados para prevenir a trombose de artérias e veias são fundamentais na rotina dos portadores de arritmias (principalmente a fibrilação atrial), doenças valvares e doenças hereditárias como a trombofilia. No pós-operatório da cirurgia de quadril e de joelho, o uso desse medicamento também é uma prática comum. O que muita gente não sabe é que os usuários desses anticoagulantes devem ter cuidado dobrado para evitar hemorragias quando submetidos a tratamentos odontológicos.

Quem usa qualquer tipo de anticoagulante diariamente deve ser informado sobre um risco maior para hemorragias, deve-se também avisar o cirurgião-dentista antes de dar início a qualquer tratamento odontológico, por mais simples que ele seja, pois, a maior parte dos procedimentos não oferecem grandes riscos, mas extrações e cirurgias de implante, por exemplo, necessitam da suspensão do medicamento para evitar sangramento excessivo.

É necessária maior interação entre o médico e o cirurgião-dentista para avaliar caso a caso, considerando os riscos envolvidos. Se em alguma situação a suspensão do anticoagulante é permitido, em outros momentos os prejuízos para a saúde do paciente desaconselham essa medida, necessitando de uma supervisão mais atenta durante o tratamento odontológico.

Existem casos em que o paciente será orientado a continuar tomando o medicamento e caberá ao cirurgião-dentista se responsabilizar para estancar eventuais sangramentos.