Três em cada 10 adultos têm dentes sensíveis

PUBLICADO EM 15/08/17

É cada vez mais comum encontrar pessoas que se queixam de dor ao ingerir alimentos frios, doces e ao escovarem os dentes. Trata-se de uma dor de curta duração, aguda e súbita. Esse quadro caracteriza o que os cirurgiões-dentistas chamam de “hipersensibilidade dentinária” – que atinge 35% dos brasileiros, principalmente na faixa etária dos 30 anos.
De acordo com Rayssa Zanatta, professora da Faculdade de Odontologia da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (APCD), essa sensibilidade nos dentes é um sinal inicial resultante da concentração de esforços mastigatórios desarmônicos na região cervical dos dentes, próxima à gengiva. Esses esforços provocam o desgaste do esmalte e da dentina, além do aparecimento de lesões ou cavidades.
Os dentes são formados por uma estrutura dura conhecida como esmalte, que reveste e protege toda a coroa. Por baixo do esmalte existe outro tecido, também duro, chamado dentina, que reveste e protege a polpa dental – que confere ‘vida’ ao dente.

“A dentina é uma estrutura formada por milhares de micro túbulos, que estão em íntimo contato com a polpa. Quando ocorre desgaste do esmalte, a superfície externa desses túbulos é exposta, e a movimentação de líquidos no seu interior provoca estímulos que resultam em dor. Sendo assim, a sensibilidade dental é uma dor provocada pela movimentação de líquidos no interior de túbulos expostos”, diz a cirurgiã-dentista.

Rayssa explica que a dor proveniente da sensibilidade dentinária está relacionada a lesões que são diferentes da cárie, justamente por não serem de origem bacteriana. Durante a mastigação, forças e tensões são geradas sobre os dentes e distribuídas ao longo do seu eixo até a raiz dental – onde são dissipadas. Quando não há uma mordida adequada, as forças se concentram na região cervical dos dentes, junto à gengiva.
“Esse excesso de tensões acaba por provocar trincas e fraturas no esmalte (que é mais fino nessa região) até que ele se perde por completo e expõe os túbulos dentinários. Por isso, é importante checar a existência de um desarranjo oclusal sempre que o paciente se queixa de hipersensibilidade dentinária”.

Habitos que causam sensibilidade
Recessão gengival
Mastigação errada e escovação com muita força podem contribuir para a retraçaõ da gengiva, que deixa a parte do dentes que cobre os nervos — a dentina — exposta. Ao notar essa recessão, é preciso procurar um dentista. Uma vez retraída, a gengiva não volta mais ao lugar. A correção só é possivel através de enxerto gengival, ou seja, é necessário remover a gengiva de uma área para recobrir a parte perdida.

Escovação exagerada
A escovação deve ser feita sem a aplicação de força. Para evitar dentes sensíveis é preciso escovar os dentes com movimentos suaves e curtos, sem pressionar demais e escova.

Dentes lascados
Uma lasquinha do dentes é suficiente para tirar a proteção do esmalte e deixar a dentina exposta. Evite abrir garrafas ou embalagens com a boca. O dente não é uma ferramenta.

Bruxismo
Hábito de apertar e ranger os dentes provoca o desgaste e a perda do esmalte. Para evitar o desgaste o ideal é usar um protetor dental, indicado e feito por um dentista.

Enxaguante bucal
O uso de enxaguantes com pH muito ácido podem contribuir para agravar a sensibilidades dos dentes.

Alimentos ácidos
Refrigerantes, frutas cítricas, vinagre e outros alimentos ácidos podem agravar a sensibilidade.

Clareamento dental
Os tratamentos para deixar os dentes mais claros só são perigosos se feitos sem acompanhamento profissional. O clareamento causa uma leve irritação nas células pulpares, que são as células que existem dentro do dente. No entanto, essa sensibilidade é temporária.

Alimentos frios ou quentes
Quando a dentina está exposta, os nervos ficam mais vulneráveis a qualquer variação de temperatura. Para amenizar a dor, o ideal é procurar o dentista para usar fluor em gel e pasta dental para dentes sensíveis.



Bruxismo pode causar sensibilidade

Rayssa Zanatta, professora da Faculdade de Odontologia da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (APCD) também ressalta que alguns hábitos e condições podem acelerar o aparecimento ou aumentar a gravidade da hipersensibilidade. “O bruxismo, por exemplo, é causado pelo apertamento e ranger dos dentes durante o sono e aumenta a concentração de tensões nos dentes, além de acelerar o seu desgaste por fricção (contato entre dentes antagonistas).
O bruxismo atinge 40% da população brasileira e 30% da população mundial. Entre os sintomas percebidos por quem sofre de bruxismo estão o ranger dos dentes, tensão na região do maxilar, dores no pescoço, cabeça e até enxaqueca.
O tratamento da hipersensibilidade dentinária, segundo Rayssa Zanatta, envolve o uso de cremes dentais especificamente desenvolvidos para dentes sensíveis, além do recobrimento das lesões com materiais restauradores. “Em casos específicos, o tratamento é cirúrgico, envolvendo o recobrimento das lesões com tecido gengival. Como a hipersensibilidade é apenas um sinal, vale a pena investigar e tratar, também, casos de bruxismo e problemas de oclusão. Só assim o paciente estará livre desse tipo de dor que tanto incomoda”.

Fonte: https://goo.gl/f9UybH